Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19. Variante Lambda ainda não preocupa virologistas

07 jul, 2021 - 08:48 • Marta Grosso , Miguel Coelho (entrevista)

Foram detetados dois casos em Portugal. À Renascença, o presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia diz que as mutações são imprevisíveis, mas que, para já, não há motivo para preocupação.

A+ / A-

Veja também:


Está ainda na fase “de interesse” a nova variante do SARS-CoV-2 que se espalhou com alguma expressão na América Latina e que já chegou a Portugal. Chama-se Lambda e ainda não preocupa os virologistas, que se mantêm atentos à sua evolução.

“As variantes estão sempre a aparecer”, diz o presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia. “Para já, esta é mais uma”, acrescenta Paulo Paixão, explicando que “o vírus está sempre a mudar”, havendo de vez em quando “mutações que nos preocupam um pouco mais”.

“As variantes são classificadas como ‘variantes de interesse’, depois passam para ‘variantes de preocupação’, quando nos começam a preocupar mais e depois temos uma coisa que é ‘variantes de alta consequência’. O que é que é uma variante de alta consequência (e não temos neste momento nenhuma)? É uma que seria bastante resistente à vacinação”, explica o virologista, em direto na Renascença.

Neste momento, a Lambda está como que “numa segunda divisão das variantes”, ou seja, está classificada como “de interesse”.

Esta variante chega a Portugal numa altura em que o país enfrenta com nova vaga da pandemia causada pela variante Delta, que de início também não foi considerada preocupante.

Paulo Paixão explica que, quando isto acontece, é porque a nova variante é mais transmissível do que as outras e se impõe às restantes. Foi o caso da Delta, mas não foi o caso das de Manaus ou sul-africana, que motivaram alguma preocupação dos especialistas, mas depois acabaram por desaparecer em Portugal, recorda o especialista.

Quanto à resistência da Lambda às vacinas, Paulo Paixão não crê que venha a acontecer, uma vez que “aquela mutação é parecida a outras que já temos a correr entre nós”.

Neste momento, sublinha o presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia, não existe qualquer variante considerada de “alta consequência”.

A Lambda começou por ser descoberta no Peru e já tem alguma expressão na América Latina.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    07 jul, 2021 aqui 12:33
    O que importa destacar é que aqueles que defendem a abertura da economia sem qualquer restrição estão a esquecer-se que quanto mais pessoas se infectarem (mesmo que não tenham sintomas),maior é a probabilidade de surgir uma variante resistente às vacinas.

Destaques V+