Tempo
|
A+ / A-

Obesidade e a internet. Governos, pais e escolas chamados à ação

30 jun, 2021 - 07:27 • Marta Grosso

O objetivo é incentivar a estratégias de comunicação ao nível digital, que promovam a alimentação saudável, numa altura em que o mundo digital parece estar a modificar o consumo e a preparação de alimentos.

A+ / A-

O Ministério da Saúde e a Direção-Geral da Saúde lançam nesta quarta-feira o “Lisbon Call to Action – Para proteger as crianças dos ambientes alimentares obesogénicos”.

A iniciativa, ainda no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, pretende incentivar diversos atores e parceiros a desenvolver ações para proteger as crianças de ambientes digitais que promovem a obesidade e, ao mesmo tempo, potenciar as oportunidades que a digitalização pode trazer para melhorar o acesso a uma alimentação saudável.

Os principais visados nestas ações são os governos, os pais e famílias, as escolas, organizações da sociedade civil e não governamentais, criadores de conteúdo digital, “marketeers”, produtores de tecnologia e operadores económicos do setor alimentar.

Aos governos pede-se ação para reduzir a exposição das crianças ao marketing digital de alimentos não saudáveis; aos pais e famílias pede-se que reconheçam os riscos associados à excessiva exposição das crianças aos ecrãs, procurando encorajar a sua redução; às escolas e toda a comunidade escolar pede-se colaboração no sentido de contribuírem para o aumento da literacia digital e mediática das crianças e jovens; e aos operadores económicos do setor agroalimentar e marketeers pede-se o compromisso de não publicitarem alimentos de má qualidade nutricional para crianças.

O apelo à ação surge no âmbito de uma conferência organizada em conjunto com a secção da OMS para a Região Europeia, que pretendeu debater os desafios e as oportunidades do mundo digital para as políticas de prevenção da obesidade.

Mundo digital na alimentação

O mundo digital parece estar a alterar o comportamento e consumo alimentar e a própria preparação de alimentos.

Compram-se cada vez alimentos pela Internet (supermercados online e apps de entrega de comida pronta), procura-se informação sobre alimentação saudável em plataformas digitais e o período de tempo (cada vez maior) “a navegar” expõe a população continuamente à publicidade de alimentos, que em geral são pouco saudáveis, refere o comunicado da Direção-Geral de Saúde (DGS).

Estes fatores, mais as poderosas estratégias de marketing utilizadas em contexto digital, aumentaram o risco de desinformação no que toca à alimentação saudável, o que representa uma ameaça ao combate à obesidade.

Surge, assim, o apelo à ação e ao envolvimento de várias entidades à melhoria da comunicação e na promoção da saúde através da alimentação.

A “Call to Action” de Lisboa pode ser consultada e subscrita aqui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+