Tempo
|
A+ / A-

Grupo de seguranças de Guimarães acusado de tentar matar ex-diretor

03 jun, 2021 - 17:13

Um ano antes, seis elementos do mesmo grupo já tinham tentador agredir o ex-diretor que, segundo o Ministério Público, só não morreu porque foi acudido por populares.

A+ / A-

O Ministério Público (MP) de Guimarães acusou um grupo ligado à segurança privada de tentar matar o seu antigo diretor, num quadro de retaliação e disputa de clientes, anunciou esta quinta-feira a Procuradoria Regional do Porto.

O processo envolve 11 arguidos, quatro dos quais protagonizaram a agressão ao diretor de segurança com soqueiras e a pontapé, acabando por lhe empurrar a cabeça contra a esquina de uma parede.

"Só não morreu, como era vontade dos arguidos, por ter sido a sua conduta interrompida por populares que o acudiram", afirma o MP, citado na página de Internet da Procuradoria Regional, explicando que os factos ocorreram num café de Guimarães em fevereiro de 2018.

As agressões foram consumadas após o grupo estudar os hábitos da vítima e confirmar que era naquele café que costuma tomar o pequeno-almoço.

Um ano antes, seis elementos do mesmo grupo já tinham tentador agredir o ex-diretor.

Tentarem então encurralar o veículo que guiava junto a um semáforo de Guimarães, mas o objetivo saiu gorado, já que o visado "logrou fugir do local, ainda que para o efeito tivesse de seguir em contramão".

Está em causa, segundo o MP, a prática de crimes de associação criminosa, detenção de arma proibida, homicídio qualificado na forma tentada, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada e favorecimento pessoal.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+