Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Costa e a final da Champions. "Não pode servir de exemplo, tem de servir de lição"

31 mai, 2021 - 15:59 • João Carlos Malta

“Ninguém melhor que as forças de segurança pode avaliar qual o melhor modo de atuação”, diz o primeiro-ministro, para quem "não é por haver incumprimento de regras que elas são ilegítimas". Costa entende que, com os acontecimentos no Porto, o Estado não perdeu autoridade para impor as regras de combate à pandemia.

A+ / A-

O que ocorreu este fim-de-semana não pode servir de exemplo e tem de servir de lição”, disse, esta segunda-feir, o primeiro-ministro, António Costa, em reação ao que se passou desde quarta-feira, no Porto, altura em que os adeptos ingleses começaram a chegar para a final da Liga dos Campeões, que se disputou no Estádio do Dragão.

Costa reconhece não ter ficado contente com o que viu nas ruas da Invicta. “Não gostei das imagens, mas foram repetidas em 'loop' criando a ilusão de que eram continuadas”, argumentou o primeiro-ministro.

Nas explicações que deu aos jornalistas, esta tarde na Assembleia da República, o líder do Governo repetiu que não podem ser confundidos os adeptos que vinham em bolha e os turistas que chegaram à cidade, muitos deles britânicos.

Ainda assim, Costa não pensa que o Estado fica diminuido na sua autoridade depois do que foi visto nas ruas do Porto. "Não é por haver incumprimento de regras que elas são ilegítimas", defendeu.

Costa disse querer esclarecer que “quando foram fixadas as regras [para a final da Champions], não estavam ainda abertas as fronteiras” e o que ficou fixado foi que os 12 mil adeptos viriam em bolha. “Nove mil pessoas, 80% vieram nessas condições”, afiança Costa, que culpa os restantes 20% pelos desacatos vividos naquela cidade do norte do país.

Em jeito de balanço, o primeiro-ministro assumiu erros através de uma pergunta retórica. "Se correu tudo na perfeição? Não correu". "Temos sempre todos a aprender, o Estado e o Governo em particular sobre como as coisas correm", apontou.

“Não correu tudo bem”, repetiu uma vez mais Costa, defendendo, contudo, que “ninguém melhor que as forças de segurança pode avaliar qual o melhor modo de atuação” e elas têm “privilegiado sempre a prática pedagógica".

Nos esclarecimentos aos jornalistas, afirmou ainda que "todas as pessoas [que se deslocaram ao Porto para o evento] vieram com testes negativos". "Sempre que houve suspeitas foram pedidos novos testes, e nesses casos houve duas situações", somou.

O primeiro-ministro sublinhou que “quem vier [a Portugal] tem de cumprir as regras”, acrescentando que perante o que aconteceu no Porto, mas também no Algarve, “a polícia geriu da forma que considerou mais adequada”.

O mesmo defende que “tem de se dar melhor informação aos turistas que estão em Portugal” sobre as regras em vigor para combater a pandemia. Costa garantiu que Portugal está a melhorar o “folheto informativo com informação sobre o uso de máscara na via pública”, para que quem visita o país conheças as regras.

Ao ser interrogado sobre a razão pela qual o Governo não acautelou a vinda de turistas, os 20% fora da bolha que o governante diz ter sido criada para os adeptos ingleses, a resposta não se fez esperar: “Não podemos querer turistas, mas, depois, dizer que não gostamos dos turistas”.

António Costa recordou, ainda, que os turistas que vêm a Portugal pelo verão não podem ser comparados com os milhares que estiveram no Porto para assistir à final da Champions, e recusou ainda responder às críticas que tinham sido feitas por Marcelo Rebelo de Sousa. “Obviamente não compete ao Governo avaliar a avaliação que o Presidente da República faz de cada uma das circunstâncias”.

[Notícia atualizada às 17h59]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    02 jun, 2021 Lisboa 10:52
    Já vi o comentador "petervlg" a escrever muitos disparates mas desta vez tem razão.
  • Petervlg
    01 jun, 2021 Trofa 07:24
    isto só rebela que alguém teve que receber muito bem, mesmo muito bem, para autorizar dois clubes britânicos, ir a outro pais, fazer um jogo de futebol, que só deveria ter sido realizado em Inglaterra
  • Anónimo
    31 mai, 2021 Lisboa 19:06
    Se tem que servir de solução, sugiro ao senhor António Costa que ganhe vergonha na cara e imite os japoneses.
  • José J C Cruz Pinto
    31 mai, 2021 ILHAVO 17:09
    Ora o mais importante é mesmo não permitir que o mau exemplo do que correu mal sirva agora de "bom" exemplo para apoiar as pretensões de idiotas disfarçados ou encartados (dos futebóis e outros "arraiais") que parecem querer que algo venha a correr ainda pior.

Destaques V+