Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Mais gente na rua? Mobilidade está a níveis pré-pandemia

12 mar, 2021 - 09:13 • Carla Fino com Redação

Nuno Santos, da consultora PSE Mobilidade, avalia o comportamento dos portugueses e conclui que “têm sempre antecipado o seu comportamento, em função das expectativas que têm”.

A+ / A-

A mobilidade dos portugueses, registada a 5 de março pela consultora PSE (83 pontos, de uma base de 100), está ao nível dos valores anteriores à pandemia. Foi o dia mais movimentado desde meados de janeiro.

De acordo com os dados revelados pela empresa especializada em mobilidade, o aumento da circulação é uma tendência crescente nos últimos tempos e Nuno Santos, consultor da PSE, justifica esse aumento com a gestão de expectativas dos portugueses.

“Em todas as fases da pandemia, os portugueses têm sempre antecipado o seu comportamento em função das expectativas que têm, do que vai ser a decisão política”, começa por dizer, em entrevista à Renascença.

“Neste momento, aquilo a que estamos a assistir é algo a que já assistimos no passado, que é, gradualmente, os portugueses, e de forma ligeira, de dia para dia, a aumentarem a sua mobilidade, a saírem mais de casa. E porquê? Porque efetivamente este é o quadro de expectativas que nós temos hoje”, argumenta e fundamenta com exemplos:

“Os portugueses confinaram o ano passado antes do início do estado de emergência; os portugueses desconfinaram o ano passado antes do início do plano de desconfinamento, porque essa era sua expectativa; os portugueses em outubro do ano passado aumentaram ligeiramente o confinamento quando se esperava que se entrasse”.


As diferenças entre confinamentos

O estudo da PSE, desenvolvido desde 2019, baseado em dados recolhidos de uma aplicação utilizada por voluntários, deixa claro que, apesar do aumento de agora verificado, março do ano passado foi um ponto de inversão na circulação da população.

“O primeiro confinamento teve todos os dias a circular cerca de 35 a 40% de pessoas. O que quer dizer que, por oposição, tínhamos entre 60 a 65% de pessoas em casa, o que é uma alteração enorme para o que era a realidade”, assinala Nuno Santos.

No segundo confinamento a realidade é diferente. “Há 55 a 60% da população a circular e estamos, gradualmente, desde o fim de janeiro, a aumentar o número de pessoas que estão a circular”, observa.

Os dados recolhidos pela PSE Mobilidade baseiam-se “numa amostra representativa do universo, estratificada por região, sexo, idade, classes sociais, atividade”.

“Por muitas variáveis para que seja genuinamente representativo da população. Essencialmente, os participantes deste estudo aceitam instalar a aplicação nos seus ‘smartphones’, para que possa ser recolhida a sua localização, a sua deslocação e, inclusive, os seus meios de locomoção. É porque é muito importante nós percebermos não só quais são as necessidades, que segmentos da população têm mobilidade, mas também a forma como o fazem”, detalha Nuno Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+