Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

Hospital de Campanha da Cidade Universitária pronto dentro de uma semana. Faz sentido?

18 fev, 2021 - 22:06 • José Carlos Silva , Filipe d'Avillez

O coordenador da iniciativa, António Diniz, explica que a estrutura não existe apenas para lidar com picos de casos, mas também para, numa segunda fase, ajudar os hospitais a voltar à normalidade.

A+ / A-

Veja também:


A nova estrutura do hospital de campanha que foi montado na Cidade Universitária deverá estar pronta a receber utentes no final da próxima semana, com capacidade para mais de 140 camas.

Numa altura em que a pandemia dá sinais de desacelerar – com alguns equipamentos a serem desativados no apoio a doentes Covid, como o hospital de campanha de Viseu, esta quinta-feira, ou o pavilhão do Arade em Portimão – Lisboa em contraciclo, insiste em abrir uma nova estrutura.

A explicação é dada por António Diniz, o coordenador da estrutura hospitalar de contingência de Lisboa, em entrevista à Renascença.

“Porque é que, concluída esta fase, se justificaria manter um hospital ou uma estrutura hospitalar com estas características? Pessoalmente faz-me sentido porque esta estrutura tem uma outra função. Ela nasceu com uma dupla função.”

A primeira era ajudar a suportar um pico de infeções, mas a segunda, que se mantém, é “passada a fase mais aguda” servir de retaguarda aos hospitais que “vão ter de retomar a normalidade. Significa que os doentes que ocuparam várias enfermarias e serviços com atividade relacionada com Covid-19, porque a pressão era enorme e a situação era aguda”, podem ser acolhidos no hospital de campanha para libertar espaço nos hospitais normais.

“É uma questão de rapidez, da velocidade que queremos imprimir à passagem de todas as estruturas que foram convertidas em Covid, para a sua atividade normal. É neste contexto que funciona”, diz.

António Diniz refere ainda que o objetivo inicial era de ter capacidade para mais de 150 camas, mas “fizemos uma adaptação para permitir receber setores diferenciados que podem estar a ocupar algumas camas nos serviços hospitalares com doentes Covid, como pessoas que, apesar de já terem passado a sua fase Covid, não têm condições de habitabilidade para poder regressar a casa.”

Assim, conclui, no total haverá ligeiramente acima de 140 camas. António Diniz garante, ainda, que mesmo em caso de ocupação total não hão de faltar profissionais de saúde. “Recursos humanos vão existir. Não tenho dúvidas nenhumas em relação a isso.”

Portugal acaba de atravessar o pior momento da pandemia até ao agora, menos de um ano depois de ter sido registado o primeiro caso no país.

Depois de vários dias com mais de 300 mortos e dezenas de milhares de novos casos, a situação está agora menos grave, com cerca de 100 mortos por dia e poucos milhares de casos positivos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+