Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

​Médicos de família querem condições para ser mais do que “médicos da pandemia”

07 jan, 2021 - 10:34 • Anabela Góis

Falta de recursos humanos nos centros de saúde e demasiadas tarefas burocráticas são algumas das queixas apresentadas pela Associação de Médicos de Medicina Geral e Familiar.

A+ / A-

Veja também:


Com o evoluir da pandemia e o aumento do número de casos de Covid-19, os médicos de família não têm mãos a medir e os utentes queixam-se da falta de consultas e das dificuldades para ligar e ser atendido num centro de saúde. Mas a Associação de Médicos de Medicina Geral e Familiar diz que há demasiadas tarefas burocráticas para tão poucos profissionais.

“Precisamos que nos sejam dadas as condições para que, no terreno, consigamos exercer as nossas tarefas e também para que, apesar disto tudo, consigamos ser médicos de família por inteiro e não apenas médicos da pandemia”, diz à Renascença o novo presidente da associação.

Só no distrito de Évora os médicos de família estão neste momento a seguir 300 idosos em de lares infetados com Covid-19. Nuno Jacinto diz que só este número demonstra conta as dificuldades sentidas ao nível dos cuidados primários.

Revela que “têm obrigação de ligar todos os dias para os nossos doentes Covid”, mesmo aqueles que estão assintomáticos, e que, dado o elevado número de casos ativos, torna escasso o tempo para outro tipo de assistência.

O presidente da associação queixa-se ainda que os médicos gastam tempo no cumprimento de tarefas burocráticas, como por exemplo “passar uma declaração de alta que poderia ser um processo automatizado assim que déssemos alta no sistema”.

Nesta entrevista, admite ser difícil entrar em contacto com os centros de saúde devido à falta de recursos humanos, apesar de terem sido distribuídos telemóveis que colmatassem a falta de centrais telefónica.

Nuno Jacinto garante que os centros de saúde não páram, mas foram obrigados a deixar os doentes habituais para segundo plano.

Em Portugal, morreram 7.377 pessoas dos 446.606 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Na quarta-feira registou-se um novo recorde máximo de novos casos diários: 10.027.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+