Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Recolher obrigatório ao fim de semana pode acabar onde houver menos de 960 casos

17 nov, 2020 - 19:58 • Lusa

O deputado do PEV revelou que o Governo pondera criar três escalões de concelhos de risco com medidas distintas.

A+ / A-

Veja também:


Apenas os concelhos e maior risco devem ter recolher obrigatório ao fim de semana. O Governo está a ponderar criar três escalões de concelhos e adotar medidas diferenciadas de contenção da Covid-19 em cada um deles, disse o deputado e dirigente do PEV José Luís Ferreira.

Após uma reunião com o Presidente da República, no Palácio de Belém, esta terça-feira, o deputado do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) declarou aos jornalistas que a possibilidade de o Governo "escalonar os concelhos em função da gravidade", ao abrigo do estado de emergência, foi comunicada por Marcelo Rebelo de Sousa.

"Haveria um escalão mínimo para aqueles concelhos que estão entre os 240 e os 480 casos diários [por 100 mil habitantes], esse era o patamar mínimo, o que significa que as restrições aí vão ser mais leves. Há depois um escalão intermédio que envolve os concelhos entre os 480 casos e os 960; e um escalão máximo, onde as restrições vão ser mais intensas, nos casos onde os concelhos verificam um número superior a 960", adiantou.

Segundo o deputado do PEV, só nos concelhos deste último escalão "é que haveria os limites que agora estão a existir ao nível dos fins de semana".

"Ou seja, ao contrário do que se está a passar com este estado de emergência atualmente, aparentemente o Governo estará a ponderar dividir ou escalonar os concelhos em três em função da gravidade", reiterou.

José Luís Ferreira manifestou a oposição do seu partido à renovação do estado de emergência, rejeitando qualquer "restrição aos direitos, liberdades e garantias", e sustentou que é possível conter o aumento de casos de Covid-19 com medidas que não exigem o recurso a este quadro legal.

Questionado sobre que medidas são essas, o deputado respondeu que "é preciso, por exemplo, criar as condições de segurança nos locais de trabalho, investir a sério nos transportes públicos" e "garantir que os alunos possam respeitar aas regras de distanciamento físico".

"Para essas medidas não é necessário o estado de emergência", salientou.

O primeiro-ministro já tinha admitido a possibilidade de medidas diferenciadas nos concelhos de maior risco. "Porque a realidade é muito diversa, porque há concelhos que passam pouco os 240 casos diários por 100 mil habitantes e há outro que tem mais de 3 mil casos diários por 100 mil habitantes", justificou na altura.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está a ouvir, entre hoje e quarta-feira, os nove partidos com assento parlamentar sobre a pandemia, o estado de emergência e o Orçamento do Estado para 2021.

Sobre o Orçamento do Estado, José Luís Ferreira disse que o PEV aguarda a resposta do Governo sobre as propostas de alteração que o seu partido apresentou e que "está tudo em aberto" quanto à votação final global.

No entanto, frisou que "Os Verdes" irão decidir o seu sentido de voto "impermeáveis a qualquer pressão do exterior" e "independentemente de qualquer aceno de crise".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    17 nov, 2020 Coimbra 21:00
    O governo via ministério do trabalho e solidariedade, já ROUBO os carenciados de Portugal ao não utilizar as verbas para o efeito da UE. Agora vem com a ideia mais estúpida e peregrina, bem como criminosa. Esta mudança vai provocar o agravamento da situação da pandemia. A diretorzinha da DGS já devia ter sido posta fora, tem demonstrado uma incompetência total, até parece que sofre de alguma demência. NÃO BRINQUEM COM A VIDA DOS PORTUGUESES!!!!

Destaques V+