Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Israel

Estudo. Vacina da Pfizer é menos eficaz contra a variante Delta

06 jul, 2021 - 10:00 • Olímpia Mairos

As autoridades de saúde garantem, no entanto, que a vacina ainda é 93% eficaz contra doenças graves e previne a hospitalização.

A+ / A-

Veja também:


Um estudo feito em Israel relatou uma diminuição na eficácia da vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 na prevenção de infeções e doenças sintomáticas, mas garantiu ser continua altamente eficaz na prevenção de doenças graves.

De acordo com a agência Reuters, que cita uma investigação preliminar do Ministério da Saúde israelita, esta vacina é menos eficaz em travar a propagação da variante Delta, detetada na Índia, do que as variantes anteriores do novo coronavírus.

Ainda assim, mantém os 93% de eficácia contra doenças graves e hospitalização.

Para já, não há qualquer reação por parte da farmacêutica que prefere citar um outro estudo, o qual mostra que os anticorpos produzidos pela vacina foram capazes de neutralizar todas as variantes testadas, incluindo a Delta, embora com força reduzida.

Cerca de 60% da população, de 9,3 milhões, de Israel já recebeu, pelo menos, uma dose da vacina da Pfizer.

Os casos diários caíram de mais de 10.000 em janeiro, para um dígito no mês de junho.

Israel abandonou quase todo o distanciamento social, bem como a exigência do uso de máscara, embora esta medida tenha sido reposta parcialmente nos últimos dias.

Com a variante Delta a espelhar-se um pouco por todo o mundo, os casos em Israel também têm vindo a aumentar. No domingo foram registados 343 casos de Covid-19 e o número de doentes graves passou de 21 para 35.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+