Tempo
|
A+ / A-

Extrema-Direita

Orbán, Salvini e Abascal com Le Pen para formar aliança no Parlamento Europeu

02 jul, 2021 - 19:38 • Lusa

Entre os aliados da líder da extrema-direita francesa figuram nomes como Matteo Salvini, Viktor Orbán, o líder do partido polaco Direito e Justiça, Jaroslaw Kaczynski, o líder do espanhol Vox, Santiago Abascal, e a líder do Fratelli d’Italia, Georgia Meloni.

A+ / A-

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, e 15 aliados europeus, incluindo o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, divulgaram esta sexta-feira uma “declaração conjunta” apresentada como “a primeira pedra” de uma aliança no Parlamento Europeu para “reformar a Europa”.

“Numa altura em que os globalistas e os europeístas, dos quais [o Presidente] Emmanuel Macron é o principal representante em França, lançam a Conferência sobre o Futuro da Europa, que visa aumentar o poder das instâncias europeias, o acordo desta sexta-feira é a primeira pedra para a constituição de uma grande aliança no Parlamento Europeu”, escrevem os signatários na sua declaração, divulgada pelo partido Aliança Nacional, de Le Pen.

Entre eles, figuram, além de Marine Le Pen, o líder da Liga italiana, Matteo Salvini, o primeiro-ministro e dirigente do Fidesz húngaro, Viktor Orbán, o líder do partido polaco Direito e Justiça, Jaroslaw Kaczynski, o líder do espanhol Vox, Santiago Abascal, e a líder do Fratelli d’Italia (neofascista), Georgia Meloni.

Estes partidos não fazem parte dos mesmos grupos no Parlamento Europeu: A Aliança Nacional e a Liga pertencem ao grupo parlamentar Identidade e Democracia (ID), ao passo que Direito e Justiça, Vox e Fratelli d’Italia estão no grupo dos Conservadores e Reformistas (CRE) e o Fidesz, que se divorciou em março do grupo do Partido Popular Europeu (PPE), procurava novos parceiros.

Numa declaração à parte, integrada por um ‘link’ na declaração conjunta, Marine Le Pen, cujo partido realiza o seu congresso nos próximos sábado e domingo, precisa que o documento é a “base de um trabalho cultural e político comum, respeitando o papel dos grupos políticos atuais”.

Le Pen enfatiza a necessidade de “uma reforma profunda” da União Europeia (UE), temendo a “criação de um super-Estado europeu”.

A UE “não para de prosseguir na via federalista que a afasta inexoravelmente povos que são a parte vital da nossa civilização”, escrevem na declaração conjunta os 16 signatários.

“Munidos desta constatação, os partidos patriotas mais influentes do continente compreenderam a importância de unir forças para terem mais peso nos debates e reformar a União Europeia”, acrescentam, afirmando quererem traçar “os contornos de uma ação conjunta”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+