Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

EUA

George Floyd. Adiado para março de 2022 o julgamento dos três ex-agentes acusados de cumplicidade

13 mai, 2021 - 20:18 • Lusa

O início do julgamento de Thomas Lane, J. Kueng e Tou Thao estava agendado para agosto. O também ex-agente Derek Chauvin já foi considerado culpado do homicídio de Floyd.

A+ / A-
“Podemos respirar de novo”. Momentos-chave da condenação de Chauvin pela morte de George Floyd
“Podemos respirar de novo”. Momentos-chave da condenação de Chauvin pela morte de George Floyd

O julgamento dos três ex-agentes da polícia de Minneapolis acusados de auxílio e de cumplicidade na morte do afro-americano George Floyd será adiado para março de 2022, deliberou esta quinta-feira um juiz do estado do Minnesota.

O início do julgamento dos ex-agentes Thomas Lane, J. Kueng e Tou Thao, que estavam no local quando o afro-americano foi morto em plena via pública a 25 de maio de 2020 pelo também polícia (atualmente ex-agente e já considerado culpado pela justiça norte-americana) Derek Chauvin, estava agendado para agosto.

Em abril passado, um tribunal do estado do Minnesota (norte dos EUA) considerou Derek Chauvin culpado do homicídio de George Floyd e a divulgação da sentença está prevista para 25 de junho.

Na semana passada, a justiça federal anunciou que abriu, por sua vez, um processo contra os quatro ex-agentes policiais por "violação dos direitos constitucionais" de George Floyd durante a sua detenção.

Durante a audiência processual realizada esta quinta-feira, o juiz Peter Cahill argumentou que as penas que incorrem os ex-agentes nos tribunais federais "eram muito mais altas" e que era "mais lógico deixar o julgamento federal prosseguir primeiro".

Como consequência, o magistrado decidiu adiar para 7 de março de 2022 o início do julgamento dos três ex-agentes por "cumplicidade no homicídio".

As "duplas" ações judiciais, em tribunais estaduais e em tribunais federais, são permitidas nos Estados Unidos da América (EUA), mas são relativamente raras.

Esta situação é um reflexo da importância deste caso que agitou a sociedade civil norte-americana.

O caso que abalou os EUA


A 25 de maio de 2020, em plena via pública, Derek Chauvin ficou ajoelhado sobre o pescoço de Floyd durante oito minutos e 46 segundos, asfixiando mortalmente o afro-americano, que era suspeito de efetuar um pagamento com uma nota falsa de 20 dólares.

Na altura, câmaras de videovigilância e dos telemóveis de vários transeuntes registaram o gesto do então polícia, mas também a frase repetida várias vezes por Floyd: "Não consigo respirar."

O caso desencadearia uma vaga de protestos antirracismo e anti-violência policial nos EUA e em várias partes do mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+