Tempo
|
A+ / A-

Médio Oriente

Liga Árabe reúne-se de emergência para discutir situação em Jerusalém

11 mai, 2021 - 07:01 • Lusa

O exército israelita atacou 130 alvos do Hamas em Gaza, durante a madrugada, em resposta ao lançamento de foguetes. Morreram 15 pessoas.

A+ / A-

O Conselho da Liga Árabe reúne-se de emergência no Cairo, esta terça-feira, para analisar a crescente tensão entre Israel e a Palestina, sobretudo os acontecimentos registados segunda-feira em Jerusalém.

Prevista inicialmente para segunda-feira, a cimeira extraordinária da Liga Árabe, presidida pelo Qatar, que exerce atualmente a presidência rotativa do Conselho, foi adiada para face aos violentos confrontos registados na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém, e que envolveram a polícia israelita e palestinianos.

Hossam Zaki, secretário-geral adjunto da Liga Árabe, disse que a reunião vai discutir os “crimes israelitas” e os “ataques contra locais sagrados islâmicos e cristãos na Jerusalém ocupada”, especialmente à Mesquita de Al-Aqsa, e ataques a fiéis.

Zaki acrescentou que a reunião também tratará dos planos israelitas para desalojar palestinianos das suas casas em Jerusalém Oriental, nomeadamente no bairro de Sheikh Jarrah.

O secretário-geral adjunto da Liga Árabe adiantou disse que a atitude de Israel é “uma tentativa de esvaziar a cidade sagrada dos seus residentes palestinianos.

O embaixador da Autoridade Nacional Palestiniana no Cairo, Diab Al-Louh, disse que a reunião tem de aprovar decisões e medidas práticas que estejam “ao nível deste evento catastrófico sem precedentes”.

Também deve elaborar uma “mensagem árabe unificada da Liga Árabe”, em que se afirme a necessidade de fornecer proteção internacional ao povo palestiniano “contra estas práticas sistemáticas de violações contínuas e de etapas perigosas de escalada” da violência.

Exército israelita ataca 130 alvos do Hamas

Israel que conduziu 130 ataques contra alvos militares do Hamas na Faixa de Gaza, durante a madrugada, em resposta ao lançamento de foguetes, matando 15 membros de grupos armados palestinianos.

"Atingimos 130 alvos militares que pertencem principalmente ao Hamas", informou o porta-voz do exército Jonathan Conricus.

"De acordo com as nossas estimativas atuais, matámos 15 membros do Hamas e da Jihad islâmica", acrescentou.

"Estamos na fase inicial da nossa resposta contra alvos militares em Gaza", disse Conricus. "Estamos preparados para uma escalada", sublinhou.

O porta-voz considerou que os foguetes lançados a partir da Faixa de Gaza constituem "uma agressão grave contra Israel". "Não podemos deixar de responder", acrescentou.

As autoridades locais em Gaza deram conta de 22 mortos, incluindo nove crianças, nos ataques israelitas, o maior número desde novembro de 2019.

Em Israel, socorristas relataram vários feridos após o lançamento dos foguetes.

Situação agravou-se est asegunda-feira

Novos confrontos opuseram segunda-feira, na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Oriental, fiéis palestinianos à polícia israelita, causando mais de 300 feridos, a grande maioria palestinianos, após um fim de semana de violência na cidade.

A situação agravou-se depois de o movimento islâmico Hamas, que governa na Faixa de Gaza, ter disparado dezenas de foguetes em direção a Israel como medida de retaliação contra a violência que afirma ter sido exercida pela política israelita contra fiéis palestinianos.

Várias explosões ouviram-se segunda-feira à noite em Jerusalém depois de terem soado as sirenes de alarme antiaéreas acionadas na sequência dos foguetes lançados a partir da Faixa de Gaza, indicou o exército israelita, sem avançar pormenores.

Em resposta, o exército israelita anunciou na mesma altura “ter começado” a realizar uma série de ataques contra posições do Hamas na Faixa de Gaza, visando em particular um comandante das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, o braço armado do Hamas, que foi morto.

Fontes sanitárias palestinianas indicaram a ocorrência de uma explosão de origem desconhecida no norte da Faixa de Gaza, que provocou a morte a pelo menos nove pessoas, três delas crianças.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, considerou que o Hamas transpôs “uma linha vermelha” e prometeu uma reposta musculada do Estado judaico.


[notícia atualizada às 8h25]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+