Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Dinamarca renuncia à vacina da Johnson

03 mai, 2021 - 16:04 • Lusa, com redação

Decisão dinamarquesa em sentido contrário com as orientações da Agência Europeia do Medicamento.

A+ / A-

A Dinamarca anunciou hoje que vai renunciar ao uso da vacina anti-covid-19 produzida pela farmacêutica Johnson & Johnson devido aos possíveis efeitos secundários, apesar de o regulador europeu ter autorizado a sua utilização.

"A Autoridade Nacional de Saúde dinamarquesa concluiu que os benefícios do uso da vacina para a covid-19 da Johnson & Johnson não superam o risco de causar um possível efeito secundário", referiu hoje a entidade.

Em causa está a possibilidade de as pessoas a quem é administrada esta vacina apresentarem trombocitopenia trombótica induzida por vacina (VITT, na sigla em inglês), um tipo muito raro de trombose.

"O programa de vacinação da Dinamarca irá continuar sem esta vacina", adiantou a entidade.

A Dinamarca também foi o primeiro país da Europa a abandonar a vacina da AstraZeneca, em abril, embora vários outros se lhe tenham seguido.

A decisão da Dinamarca acontece apesar de tanto a Organização Mundial de Saúde como a Agência Europeia do Medicamento terem autorizado a sua administração.

Portugal limitou a administração da vacina Janssen, da farmacêutica Johnson & Johnson, a pessoas com mais de 50 anos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.203.937 mortos no mundo, resultantes de mais de 152,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    03 mai, 2021 Madeira 17:02
    A autoridade da UE é uma treta. Cada país membro faz o que quer. Outros compram vacinas russas. Não entendo nada disto. Que venham os Doutores explicar-me.

Destaques V+