Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Cinco lições a tirar dos países que conseguiram controlar a pandemia

24 mar, 2021 - 06:47 • Sofia Freitas Moreira com agências

Preparação, testagem, apoios financeiros, proteção dos idosos e planos robustos de vacinação. Estes são alguns dos passos adotados pelos países que conseguiram evitar o pior cenário da Covid-19. Nenhum governo pode afirmar ter acertado em tudo, mas as medidas explicadas aqui destacam algumas políticas mundiais que se têm revelado eficazes.

A+ / A-

Veja também:


A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 2,5 milhões de mortos e 115 milhões de casos confirmados em todo o mundo. Depois de um ano da deteção do primeiro caso, quais são os melhores exemplos de estratégias para combater esta doença?

De acordo com a BBC, existem cinco áreas-chave que foram mais eficazes na contenção da propagação do vírus e na prevenção de mortes:

  • Ação precoce e eficaz para controlar as fronteiras e monitorização das chegadas;
  • Testes, seguimento e rastreio de todas as pessoas suspeitas de estarem infetadas;
  • Apoio social para quem está em quarentena, para conter o vírus;
  • Aposta na proteção dos mais frágeis e idosos;
  • Liderança eficaz e planos de vacinação robustos e eficientes.

Nenhum governo pode afirmar ter acertado em tudo, mas os passos listados abaixo destacam algumas políticas mundiais que se têm revelado eficazes.


Primeiro passo: Preparação

Para a Coreia do Sul, esta não é a primeira experiência de uma pandemia. O país recorda-se bem da devastação e do medo que o surto de Mers trouxe à Ásia Oriental, em 2015.

Foi um processo de aprendizagem, com o governo a assumir 48 reformas para reforçar a preparação e resposta a emergências de saúde pública. Estas reformas deram os seus frutos.

Quando a Covid-19 chegou a território sul coreano, a população conseguiu aplanar rapidamente a curva epidémica, sem fechar empresas ou implementar restrições mais rigorosas de permanência em casa a nível nacional.

"Desde o início, pusemos em prática medidas de prevenção minuciosas para impedir que o mesmo voltasse a acontecer - a história repete-se", disse o primeiro-ministro do país, Chung Sye-kyun.


Segundo Passo: Testar, seguir e rastrear

À medida que os casos se aproximavam do primeiro confinamento em finais de março, e com os recursos esticados, o governo do Reino Unido, que tinha conduzido o rastreio de contactos até este ponto, parou os testes na comunidade. Tinha a capacidade de testar apenas em hospitais. O programa formal de teste e rastreio do governo foi lançado em maio.

A maioria dos países da Ásia Oriental começou a rastrear os contactos em janeiro.

Na Coreia do Sul, hospitais como Yangji, no distrito de Gwan-Ak, em Seul, foram designados para tratar doentes Covid-19, desde os testes até ao tratamento. Aqui, as pessoas nem sequer precisam de entrar no edifício - são testadas à distância de um braço numa cabina especial totalmente selada.

O hospital processa todos os seus próprios testes no local e os resultados estão normalmente disponíveis dentro de quatro ou cinco horas. No Reino Unido, pode demorar um dia ou mais.

A partir do hospital, uma equipa de rastreio acompanha cada caso suspeito. A equipa pode ser forense com o detalhe e tem acesso a dados de cartões de crédito e de telemóveis. Monitoriza a CCTV em todo o distrito, enviando equipas para a comunidade para vasculhar as ruas quando vê algo que lhe diz respeito.

O primeiro-ministro Chung Sye-kyun tomou pessoalmente a seu cargo a situação antes mesmo de o país ter um caso confirmado da doença, dando prioridade à testagem, despistagem e rastreio.

O número de mortos na Coreia do Sul, um país de 52 milhões de pessoas, é de 1.693.


EVOLUÇÃO DA PANDEMIA NO CONTINENTE EUROPEU:

Terceiro Passo: Apoio durante a quarentena

O estado de Querala, na Índia, conta com 30 mil ativistas de saúde social acreditados, conhecidos como trabalhadores da Asha, que têm o papel de assegurar que todos os que necessitam de se auto-isolarem, o façam.

Estes voluntários vão aos supermercados pelas pessoas em quarentena, recolhem os seus medicamentos e tudo o que possam precisar, para que não abandonem as suas casas.

O apoio a quem se isola não acaba aí. As cozinhas comunitárias têm fornecido até 600 refeições gratuitas diárias às pessoas em isolamento em casa ou no hospital todos os dias e têm sido oferecidos serviços de saúde mental desde o início da pandemia.

Foi concedida ajuda financeira e, em alguns casos, o pagamento de despesas foi temporariamente congelado.

A ministra da saúde de Querala, KK Shailaja, aprendeu lições importantes ao lidar com o mortal vírus Nipah, há três anos, e aplicou essas lições no combate à Covid-19. A ministra insiste que, ao assegurar o apoio a estas pessoas, a população conseguiu controlar a propagação e evitar que os seus hospitais ficassem sobrecarregados.

Com uma população de 35 milhões de habitantes, Querala teve o maior número de casos na Índia em março de 2020, passando a ter entre as mais baixas taxas de mortalidade de Covid-19 do mundo.

Quarto passo: Proteger os idosos

No início de abril, a governadora Lisa Federle começou os testes em lares na antiga cidade de Tübingen, no estado alemão de Baden Württemberg, para manter o vírus afastado e permitir visitas aos lares.

O presidente da Câmara da cidade tinha visto o impacto do vírus em Itália e Espanha sobre a população mais idosa.

Boris Palmer utilizou o seu orçamento local para dar prioridade aos cuidados e apoio à população idosa da cidade, incluindo um serviço de táxi subsidiado, máscaras gratuitas entregues em lares e horários.

Graças a estas medidas, o Hospital Universitário da cidade recebeu menos doentes Covid-19 e não foi forçado a cancelar outros procedimentos médicos.

Ao contrário do Reino Unido, onde Londres, Edimburgo, Cardiff e Belfast tomaram todas as principais decisões, a Alemanha, com o seu sistema federal, permitiu que cada um dos seus estados decidisse localmente como responder ao vírus.

Os idosos têm estado entre as maiores vítimas da pandemia, particularmente aqueles que vivem em lares.

Quinto passo: Estratégia de vacinação

Mais de 26 milhões de pessoas no Reino Unido receberam pelo menos uma dose de uma vacina contra o novo coronavírus - parte do maior programa de inoculação que o país já lançou. Embora bem atrás do líder mundial Israel, que até agora inoculou completamente mais de metade da sua população.

O sucesso do Reino Unido deve-se, em grande parte, a um tremendo esforço de planeamento. O Departamento de Saúde e Assistência Social começou a planear um programa de vacinação em massa antes mesmo de haver confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Reino Unido.

No verão, o governo assinou um contrato para a compra de 100 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca e 30 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech.

É uma história diferente na União Europeia - o planeamento começou mais tarde e o lançamento tem sido lento. Apenas 8% das pessoas na UE receberam até agora uma vacina, em comparação com 36% no Reino Unido. As compras de vacinas no Reino Unido foram feitas três meses antes dos da UE.

A situação é pior em todo o mundo em desenvolvimento. Embora quase toda a Europa e as Américas tenham iniciado as suas campanhas de vacinação, apenas um punhado de países africanos o fizeram.

Muitos países mais pobres confiam nas entregas da Covax, um esquema liderado por Gavi, a Vaccine Alliance, que visa assegurar o acesso de todos às vacinas.

No entanto, uma estratégia de vacinação deve ser um esforço internacional. Em países onde o acesso a uma vacina é limitado, o vírus tem a oportunidade de sofrer uma mutação - como aconteceu na África do Sul e no Brasil - criando novas variantes mais transmissíveis, que podem propagar-se ao estrangeiro.

A pandemia provocou, pelo menos, 2.716.035 mortos no mundo, resultantes de mais de 123 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+