Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19. Reinfeção grave com variante sul-africana preocupa médicos em França

13 fev, 2021 - 16:37 • Lusa

O paciente, que tinha estado infetado com covid-19 em setembro, sofre também de asma.

A+ / A-

Veja também:


As autoridades de saúde de França mostraram este sábado preocupação com a gravidade de uma reinfeção com a estirpe sul-africana do novo coronavírus, num doente em cuidados intensivos, diferenciando-se da maioria das reinfeções que tinham sido leves.

O doente “está em estado grave e ligado a um ventilador”, informou em comunicado a entidade que agrupa os hospitais de Paris (APHP).

O paciente, que tinha estado infetado com covid-19 em setembro, sofre também de asma, divulgou a agência EFE, sublinhando a sua sensibilidade a quaisquer problemas respiratórios adicionais.

"O que nos preocupa é a gravidade desta segunda infeção com uma nova variante do vírus", disse o chefe de emergências de outro hospital de Paris e especialista no caso, Frédéric Adnet, a um canal de televisão local.

Professor de Medicina Intensiva do hospital Colombes, onde o paciente está internado há três semanas, Jean-Damien Ricard, recusou alarmismos considerando tratar-se de “uma situação excepcional, a primeira que foi descrita".

O mesmo responsável sublinhou que existem várias hipóteses para explicar a gravidade do caso, desde uma possível deficiência imunológica do paciente, até uma geração insuficiente de anticorpos após a primeira infeção, ou ainda a possibilidade de a nova infeção ser de estirpe mais agressiva, como a sul-africana 501Y.V2, que tem consequências mais graves.

O epidemiologista Yves Buisson, presidente do Grupo Covid da Academia Nacional de Medicina, citado pela EFE, confirmou tratar-se de um caso que “deve ser estudado”.

Buisson clarificou que seria necessário saber se os anticorpos que o paciente desenvolveu durante a sua primeira infeção eram capazes de neutralizar a variante sul-africana, e se ela "escapa parcialmente a uma imunidade adquirida por uma infeção anterior".

O caso foi publicado esta semana na revista científica norte-americana Clinical Infectious Diseases.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.384.059 mortos no mundo, resultantes de mais de 108,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+