Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19. Especialistas dizem que OMS e China deviam ter reagido mais cedo

18 jan, 2021 - 17:03 • Lusa

Tecem ainda críticas à demora da OMS em reunir o seu comité de emergência, no início da pandemia, e a relutância em declarar uma emergência sanitária global.

A+ / A-

Veja também:


A Organização Mundial de Saúde e Pequim deviam ter reagido mais rapidamente à pandemia, concluiu o grupo de especialistas responsável por avaliar a resposta mundial, referindo que a disseminação da Covid-19 beneficiou da falta de divulgação de informação.

No seu segundo relatório, que será oficialmente apresentado na terça-feira, em reunião da Organização Mundial da Saúde (OMS), este grupo de especialistas sublinha ser possível verificar, “na cronologia inicial da primeira fase da pandemia, que teria sido possível agir mais rápido com base nos primeiros sinais”.

“É evidente para o Grupo Independente que as medidas de saúde pública poderiam ter sido aplicadas com mais vigor pelas autoridades locais e nacionais chinesas em janeiro”, escreveu o grupo no relatório.

Os especialistas apontam ainda para a demora da OMS em reunir-se com o seu comité de emergência, no início da pandemia, e a relutância em declarar uma emergência sanitária internacional.

“Não vemos por que razão [a OMS] não se reuniu antes da terceira semana de janeiro, nem por que não declarou imediatamente uma emergência de saúde pública de interesse internacional”, o nível mais alto de alerta para uma pandemia, refere o documento.

Desde o início da crise de saúde, no final de 2019, a OMS tem sido fortemente criticada pela sua resposta, nomeadamente pela demora em recomendar o uso de máscara.

A principal crítica, no entanto, foi a acusação pelos Estados Unidos de ter sido extremamente complacente com a China, país onde foi detetado inicialmente o coronavírus, e de ter demorado a declarar o estado de emergência sanitária mundial.

Em maio do ano passado, os Estados-membros da OMS concordaram com o princípio de uma investigação independente e, em julho, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou a criação do Grupo Independente para fazer “uma avaliação honesta” à gestão da crise e “tirar lições” para o futuro.

Este grupo é copresidido pela ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark e pela ex-Presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf.

Em pouco mais de um ano, a pandemia matou mais de dois milhões de pessoas e pouco menos de 100 milhões de pessoas foram infetadas, números oficiais que provavelmente subestimam o balanço real.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+