Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Irão proíbe empresas estrangeiras de "testarem" vacinas covid-19 em iranianos

09 jan, 2021 - 12:04 • Reuters

Na sexta-feira, o Ayatollah Ali Khamenei proibiu as importações de vacinas dos Estados Unidos e do Reino Unido. "O Irão poderá obter vacinas de outros locais fiáveis", acrescentou, sem dar pormenores.

A+ / A-

As empresas estrangeiras não serão autorizadas a testar vacinas COVID-19 no povo iraniano, disse o Presidente Hassan Rouhani este sábado, um dia após o Líder Supremo do Irão, o Ayatollah Ali Khamenei, ter proibido as importações de vacinas dos Estados Unidos e do Reino Unido.

"As empresas estrangeiras queriam dar-nos vacinas para que estas fossem testadas no povo iraniano. Mas o Ministério da Saúde impediu-o", disse Rouhani num discurso transmitido pela televisão, sem nomear as empresas ou dar mais pormenores.

"O nosso povo não será um dispositivo de teste para as empresas de fabrico de vacinas", acrescentou. "Iremos comprar vacinas estrangeiras seguras".

O Ayatollah Ali Khamenei, a mais alta autoridade do Irão, disse na sexta-feira que os EUA e o Reino Unido não são confiáveis e que possivelmente procuram espalhar a infeção noutros países.

"O Irão poderá obter vacinas de outros locais fiáveis", acrescentou, sem dar pormenores. A China e a Rússia são ambas aliadas do Irão, o país do Médio Oriente mais duramente atingido pelo coronavírus.

Khamenei repetiu as acusações num tweet que foi removido pelo Twitter, juntamente com uma mensagem a dizer que violava as regras da plataforma contra a desinformação.

O Irão lançou testes em humanos do seu primeiro candidato nacional à vacina COVID-19 no final do mês passado, dizendo que poderia ajudar o país a derrotar a pandemia apesar das sanções dos EUA, que afetam a sua capacidade de importar vacinas.

As tensões entre Washington e Teerão têm aumentado desde 2018, quando o Presidente Donald Trump abandonou um acordo nuclear de 2015 e reinstituiu sanções.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+