Tempo
|
A+ / A-

Dinamarca

Assassino da jornalista Kim Wall admite culpa

09 set, 2020 - 11:30 • Lusa

Peter Madsen foi condenado a perpétua pela morte da jornalista sueca, de 30 anos, no seu submarino privado. Caso aconteceu em agosto de 2017.

A+ / A-

O dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua pelo assassínio da jornalista sueca Kim Wall no seu submarino privado, admitiu pela primeira vez ser culpado, ao responder a uma questão colocada no âmbito de um documentário.

O inventor, de 49 anos, entrevistado por telefone, respondeu “sim” à pergunta do jornalista sobre se tinha matado a jornalista, quando esta o foi entrevistar em agosto de 2017.

“Só há um culpado e sou eu”, afirmou.

Peter Madsen foi condenado, em abril de 2018, por torturar e assassinar a jornalista sueca e, apesar de ter recorrido da sentença, acabou por ver a pena de prisão perpétua confirmada pelo tribunal em setembro desse ano.

Madsen, engenheiro autodidata, foi considerado culpado do assassínio com premeditação de Kim Wall, de 30 anos, assim como de a ter mutilado sexualmente antes de ter desmembrado e decapitado o cadáver, que atirou ao mar.

O inventor alegou na altura que a jornalista morreu acidentalmente no submarino, mas confessou ter desmembrado o corpo e atirado as suas partes ao mar.

O Ministério Público tinha pedido prisão perpétua para o inventor por tortura, homicídio e profanação de cadáver da jornalista, citando pareceres psiquiátricos segundo os quais Madsen é um “perverso polimorfo” que apresenta um “risco elevado de reincidência”.

Entre o desaparecimento de Kim Wall, a 10 de agosto de 2017, e o julgamento, Madsen apresentou três versões diferentes dos factos.

A autópsia revelou 14 lesões internas e externas na zona genital da vítima, infligidas quando ela ainda estava viva, que provam, segundo o procurador, o caráter sexual do crime.

As causas da morte não puderam ser certificadas, mas os pulmões de Kim Wall apresentavam sinais de “asfixia mecânica”, por estrangulamento ou sufocação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    09 set, 2020 Funchal 13:23
    Ainda bem que foi julgado na Dinamarca, em Portugal eram 25 anos, muito pouco para um assassino destes.

Destaques V+