Tempo
|
A+ / A-

Espanha

"Crise aberta da monarquia". Chefe do governo da Catalunha quer que Felipe VI abdique

04 ago, 2020 - 14:57 • Lusa

“O regime de Bourbon, restabelecido em 1978, está acabado”, defende Quim Torra após exílio do rei emérito Juan Carlos I.

A+ / A-

O presidente do governo regional da Catalunha pediu esta terça-feira ao rei Felipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma “posição comum” sobre a “crise aberta da monarquia”.

Após a reunião semanal do governo regional (Generalitat), a última antes das férias de verão - a próxima está prevista para 27 de agosto -, Quim Torra falou sobre o anúncio, feito na segunda-feira pelo rei emérito, de que Juan Carlos irá viver fora de Espanha, na sequência de escândalos que poderão levar à abertura formal de uma investigação sobre corrupção.

Torra denunciou a “fuga tolerada” do rei emérito Juan Carlos, a quem descreveu como “um fugitivo da justiça”, e instou o Governo de Pedro Sánchez a explicar se “ocultou a saída de um possível corrupto para o estrangeiro”, o que, na sua opinião, “comprometeria seriamente a democracia espanhola”.

Segundo Torra, este é “um caso que deveria envergonhar qualquer democrata” e que “põe em causa o compromisso do Governo espanhol, já para não falar do de Felipe VI, na luta contra a corrupção e a responsabilização”.

“O regime de Bourbon, restabelecido em 1978, está acabado”, disse, garantindo que estará “sempre ao lado dos republicanos espanhóis”, embora o seu projeto “seja o da república catalã independente”.

Torra exigiu ainda “responsabilidades ao Governo espanhol, por ter permitido, facilitado e aplaudido a fuga de uma pessoa cheia de privilégios, que está a ser investigada por um grande caso de corrupção”, e alertou que “o PSOE, o Podemos e outros partidos serão cúmplices desta fuga se não fizeram nada para evitá-la”.

“Peço a Felipe VI que não prolongue mais a monarquia Bourbon e abdique, para dar aos cidadãos espanhóis a oportunidade de sair deste buraco”, afirmou.

Segundo disse, Torra solicitou a Roger Torrent a convocação “urgente” de uma sessão plenária extraordinária, a ser realizada em 48 horas, “para enfrentar a crise aberta pela monarquia espanhola e estabelecer uma posição comum a partir da sede da soberania da Catalunha”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+