Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus. Governador de Nova Iorque clama por médicos: "Por favor, venham ajudar-nos"

31 mar, 2020 - 00:29 • Lusa

Andrew Cuomo diz que são precisos mais de um milhão de trabalhadores do setor da saúde.

A+ / A-

O governador nova-iorquino, Andrew Cuomo, fez um apelo urgente a médicos voluntários perante um "aterrador" número de mortes provocadas pelo novo coronavírus: "Por favor, venham para Nova Iorque ajudar-nos. Agora".

Em resultado, milhares de médicos e enfermeiros reformados ou com disponibilidade estão a responder à chamada nos Estados Unidos.

O apelo de Cuomo foi feito quando a quantidade de pessoas mortas no Estado norte-americano passa os 1.200, com a maioria a ocorrer na capital estadual, e as autoridades avisam que o ponto de rutura para que a crise está a levar os hospitais nova-iorquinos é uma antecipação do que vai ocorrer em breve nas outras cidades do país.

Cuomo especificou que a metrópole precisa de mais um milhão de trabalhadores adicionais do setor da saúde.

"Já perdemos mais de mil nova-iorquinos. Para mim, estamos para além do choque", disse.

Ao mesmo tempo que o apelo do governador foi divulgado, um navio-hospital da Marinha norte-americana, que também enviado para a cidade depois dos ataques de 11 de setembro, foi disponibilizado, com mil camas para aliviar a pressão nos hospitais de Nova Iorque. E cerca de 80 mil antigos profissionais militares de saúde já se voluntariaram.

Os EUA têm mais de 160 mil pessoas infetadas e cerca de 3.000 mortes, com a cidade de Nova Iorque a ser o pior caso, numa altura em que New Orleans, Detroit e outras metrópoles começam a apresentar também números preocupantes.

"Quem quer que veja esta situação como exclusiva a Nova Iorque está em estado de negação", disse Cuomo. "Este vírus move-se através do Estado, da nação. Nenhum norte-americano está imune a este vírus"", frisou.

Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infeciosas, a trabalhar para o governo norte-americano, também avisou que as cidades mais pequenas vão provavelmente ver os números dos casos evoluir como em Nova Iorque.

"O que aprendemos com a experiência dolorosa desta pandemia é que evolui ao longo de uma linha direita, depois uma pequena aceleração, dispara", disse no programa matinal "Good Morning América", da televisão ABC.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 750 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 36 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 148.500 são considerados curados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+