Tempo
|
A+ / A-

Catalunha. Independentista Oriol Junqueras libertado para dar aulas na universidade

03 mar, 2020 - 15:42 • Redação com Lusa

O principal condenado pela consulta à independência da Catalunha em 2017 vai começar a trabalhar três dias por semana na Universidade de Vic, onde dará aulas de História do Pensamento Ocidental.

A+ / A-

O independentista catalão Oriol Junqueras, o principal condenado pela tentativa de independência da Catalunha em 2017, saiu esta terça-feira da prisão durante algumas horas para começar a trabalhar três dias por semana numa universidade.

O ex-vice-presidente do antigo governo regional liderado por Carles Puigdemont, fugido na Bélgica, saiu da prisão de Lledoners, na Catalunha, no final da manhã, para ir para a Universidade de Vic, na mesma região, onde dará aulas de História do Pensamento Ocidental.

"Ensinar e aprender. Sempre. Obrigado pelo seu apoio", escreveu o separatista, que é historiador de formação, na sua conta na rede social Twitter.

O atual Governo regional catalão, que continua a ser controlado pelos independentistas, concedeu na semana passada a Junqueras autorização para sair da prisão três dias por semana durante seis horas para trabalhar.

A região da Catalunha é a única em Espanha que tem amplos poderes em assuntos prisionais, podendo conceder autorizações deste tipo, que já utilizou em sete dos nove independentistas condenados em meados de outubro passado pela tentativa de independência de 2017.

Entretanto, o Ministério Público anunciou que vai apresentar recurso contra estas autorizações de saída, tendo criticado o Governo regional por conceder demasiada liberdade aos prisioneiros e defendido que medidas deste tipo deveriam ser "excecionais".

Oriol Junqueras foi condenado a 13 anos de prisão, acusado de delito de sedição e desvio de dinheiros públicos pelo seu papel na tentativa de independência de outubro de 2017. Em 2019, foi eleito para o Parlamento Europeu, mas entretanto impedido de tomar posse como eurodeputado.

A libertação de Junqueras tem lugar numa altura de algum desanuviamento entre os independentistas e o Governo central em Madrid, que iniciou na semana passada reuniões mensais para dialogar com o executivo catalão com o objetivo de tentar encontrar uma solução para a crise com os separatistas, o principal elemento de instabilidade política em Espanha nos últimos anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+