Tempo
|
A+ / A-

Itália

Matteo Salvini vai ser julgado por bloqueio ao desembarque de migrantes

12 fev, 2020 - 17:17 • Lusa

O ex-ministro foi acusado de sequestro ao bloquear o desembarque de 131 migrantes em Itália, em julho de 2019.

A+ / A-

O ex-ministro do Interior de Itália, Matteo Salvini, vai ser julgado em tribunal, acusado de sequestro por ter bloqueado o desembarque de 131 migrantes em julho de 2019, depois de o Senado lhe ter retirado a imunidade, esta quarta-feira.

A câmara alta do parlamento italiano decidiu levantar a imunidade do líder do partido de extrema-direita Liga para que seja julgado pela sua política de migração quando era ministro do Interior no Governo de coligação apoiado pelo Movimento 5 Estrelas, anunciaram as agências de notícias AFP e Efe.

Salvini terá de responder pela sua política de portos fechados e por impedir que migrantes resgatados por organizações humanitárias desembarcassem em Itália, mantendo-os durante vários dias trancados a bordo de um navio da Guarda Costeira italiana por cinco dias.

No domingo, Matteo Salvini considerou, numa entrevista divulgada pelo jornal La Stampa, que a única coisa que fez foi defender o país. “É uma loucura, não sei quanto custa em termos de pessoal e de dinheiro demonstrar que sou um criminoso, mas não tenho medo e explicarei que defendi o meu país”, afirmou.

O líder da extrema-direita italiana assegura que aplicou a sua “política de portos fechados” para tentar pressionar o resto dos Estados-membros da União Europeia (UE) a aceitar a realocação destas pessoas.

Em janeiro, e por instrução do próprio Matteo Salvini, a Liga votou na Junta de Imunidade Parlamentar do Senado a favor de permitir o seu julgamento, uma estratégia do partido de extrema-direita que, segundo referiu então a imprensa, visava ganhar notoriedade e votos antes das eleições regionais em Emília-Romanha.

A votação na Junta não é, no entanto, vinculativa e a decisão final cabe apenas ao Senado, que hoje votou a favor de um julgamento.

Salvini encontra-se atualmente na oposição, depois de ter abandonado em agosto passado a aliança governamental que mantinha com o Movimento 5 Estrelas (M5S, antissistema), numa tentativa fracassada de provocar eleições gerais antecipadas em Itália.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+