Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ucrânia sobre queda do avião. "A prioridade é apurar a verdade e os responsáveis"

08 jan, 2020 - 14:47 • Marta Grosso com Reuters e Lusa

Um Boeing 737 da Ucrânia despenhou-se na madrugada desta quarta-feira no Irão com 176 pessoas a bordo. Não há sobreviventes. Teerão recusa entregar caixas negras aos EUA.

A+ / A-

O Presidente da Ucrânia diz que a prioridade do país, nesta altura, é chegar à verdade do que aconteceu com o Boeing 737 na madrugada desta quarta-feira.

“A nossa prioridade é apurar a verdade e os responsáveis por esta terrível catástrofe”, afirmou Volodymyr Zelenskiy nesta quarta-feira.

O avião despenhou-se pouco tempo depois de ter descolado do aeroporto de Teerão e algumas horas depois do ataque do Irão a bases militares no Iraque. Ao cair, incendiou-se e as 176 pessoas que seguiam a bordo morreram.

Volodymyr Zelenskiy diz que, ainda na noite desta quarta-feira, seguirá para o local uma equipa de peritos para investigar as circunstâncias em que tudo aconteceu.

Antes, o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano anunciou que, depois de uma conversa telefónica com o seu homólogo iraniano, os dois países acordaram em “coordenar de perto as ações de investigação que decorrerem de ambos os lados, com vista a determinar a causa da queda do avião”.


Entre as vítimas estão 82 iranianos, 63 canadianos, 11 ucranianos, 10 suecos, três alemães e três cidadãos do Reino Unido. A maior parte dos passageiros encontrava-se em trânsito para outro voo.

Apesar de o acidente ter ocorrido no meio da crise entre Estados Unidos e Irão, as autoridades ucranianas recusam fazer qualquer especulação que relacione os dois acontecimentos.

Irão recusa entregar caixas negras aos EUA

As caixas negras do avião já foram encontradas, mas a autoridade de aviação civil iraniana já anunciou que não as irá entregar aos Estados Unidos.

"Não vamos entregar as caixas negras ao fabricante (Boeing) e aos americanos", afirmou o chefe da Organização da Aviação Civil iraniana, Ali Abedzadeh, citado pela agência de notícias Mehr.

"Ainda não está claro em que país as caixas negras irão para investigação", acrescentou, explicando que “a investigação deste acidente estará sob a responsabilidade do Irão, mas os ucranianos poderão participar".

Segundo a mesma agência iraniana, Abedzadeh explicou que, de acordo com as leis internacionais que regem o transporte aéreo, o país onde ocorre um acidente tem o direito de realizar a investigação.

De acordo com as regras da Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO), da qual o Irão, os Estados Unidos e a Ucrânia são membros, as investigações de acidentes aéreos regressam efetivamente ao país onde ocorrem.

No entanto, segundo especialistas do setor, poucos países são capazes de analisar caixas negras. Entre eles estão a Alemanha, os Estados Unidos, a França e o Reino Unido.

O avião da Ukraine International Airlines caiu num terreno agrícola a sudoeste de Teerão. As primeiras indicações disponibilizadas pelas autoridades iranianas apontaram para a existência de problemas mecânicos.

O avião da Ukraine International Airlines caiu num terreno agrícola a sudoeste de Teerão. As primeiras indicações disponibilizadas pelas autoridades iranianas apontaram para a existência de problemas mecânicos.

Um vídeo amador divulgado pela agência de notícias iraniana mostra um clarão no céu, descendo a grande velocidade e acompanhado de comentários como “o avião está a arder”. Segue-se um clarão maior na altura em que parece atingir o chão. A agência Reuters está a tentar autenticar, de forma independente, as imagens.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+