Tempo
|

35,42%
47 Deputados
25,24%
28 Deputados
9,05%
7 Deputados
6,37%
3 Deputados
4%
1 Deputados
3,09%
1 Deputados
1,38%
0 Deputados
1,25%
0 Deputados
1,11%
0 Deputados
5,15%
5 Deputados
  • Freguesias apuradas: 2495 de 3092
  • Abstenção: 45,06%
  • Votos Nulos: 5,44%
  • Votos em Branco: 2,48%

Total esquerda: 57Mandatos
Pan: 1Mandatos
Total direita: 34Mandatos
A+ / A-

Noite eleitoral cruzada. Dos "rebeldes responsáveis" ao partido que alcançou um "feito histórico"

07 out, 2019 - 03:01 • Pedro Filipe Silva

O Partido Socialista venceu, festejou, mas não foi o único. Acompanhámos as noites eleitorais do Iniciativa Liberal e do Chega, dois dos três partidos que entram no Parlamento.

A+ / A-

Veja também:


Com as primeiras projeções a darem conta da possibilidade de entrarem novos partidos no Parlamento, a Renascença foi ao encontro da festa.

Primeira paragem: “The House of Hope and Dreams”. Assim se chama o espaço escolhido pelo Iniciativa Liberal para passar a noite eleitoral.

Se não estivesse instalado o púlpito, se não houvesse bandeiras e pessoas com t-shirts azuis, bem podíamos dizer que era uma simples festa de amigos. Naquele espaço, um armazém em Belém, reinava um ambiente “cool”. Muitos com uma cerveja ou um copo de vinho na mão, uma mesa com petisco e um ecrã gigante. A imagem colava com o que o porta-voz do partido, Rodrigo Saraiva, dizia à Renascença. “Somos rebeldes responsáveis”.

O local escolhido fazia todo o sentido para o partido. A esperança e os sonhos permaneciam até que veio a confirmação da eleição de um deputado, João Cotrim de Figueiredo, cabeça de lista por Lisboa.

Festa confirmada num lado, era tempo de rumar a outro “quartel general”: o do Chega, de André Ventura.

Se havia festa na zona de Belém, no Novotel, junto à Praça de Espanha, o silêncio era total.

Não havia sinal de militantes nem simpatizantes do Chega, isto porque os jornalistas tinham uma sala própria, muito pequena, onde estava instalado o púlpito. André Ventura e as cerca de três dezenas de pessoas estavam noutra sala a acompanhar os resultados.

As horas passaram. Muitos já pensavam que “iam morrer na praia”. Mas na reta final, eis que veio a notícia da eleição de André Ventura. Ouviram-se muitos gritos na sala ao lado. E quando os jornalistas foram espreitar, já Ventura falava. “Agora vou falar à imprensa, mas não podia ir sem dirigir-vos as primeiras palavras.”

Ainda com António Costa a fazer o discurso de vitória, o líder do Chega entrava na ‘sala dos jornalistas’. Com ele vieram os seus apoiantes. Num espaço pequeno, muito pequeno, para tanta gente, e enquanto se preparava todo o material, eis que se ouve “Agora já vos interessa, não é?”

Uma pergunta vinda do fundo da sala, em jeito de provocação, dirigida aos jornalistas, agora que estava confirmada a entrada da extrema-direita na Assembleia da República.

No discurso, André Ventura repetiu por diversas vezes que o Chega foi o “mais votado dos partidos pequenos.” Foi um “feito histórico”, sublinhou.

O cabeça de lista elevou a fasquia e garantiu: “Daqui a oito anos seremos o maior partido de Portugal". E foram muitos os gritos naquela sala. Houve direito a perguntas e André Ventura brincou com isso. “E agora para não dizerem que isto já começa mal, estou disponível para as vossas perguntas”, disse.

A festa não ficou por aqui. Os vários militantes e simpatizantes rumaram à Assembleia da República, no desfilo que André Ventura tinha prometido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+