Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Alentejo

Apoio à produção nacional chega a 11 empresas de Portalegre

20 jul, 2021 - 17:05 • Rosário Silva

Dirigido às micro ou pequenas empresas, o Programa de Apoio à Produção Nacional é um apoio direto ao investimento empresarial produtivo. Em Portugal, mais de quatro dezenas de empresas já viram as suas candidaturas aprovadas.

A+ / A-

Onze micro e pequenas empresas do alto Alentejo assinam esta quarta-feira, dia 21, no Instituto Politécnico de Portalegre, contratos no âmbito do Programa de Apoio à Produção Nacional (PAPN).

As empresas, que operam nos setores da industria, restauração e turismo, vão investir mais de um milhão de euros, com o apoio de 600 mil euros dos fundos europeus do Programa Operacional do Alentejo 2020.

Numa nota enviada à Renascença, a CIMAA – Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo revela que estas onze empresas vão investir “na expansão das suas instalações, aquisição de novos equipamentos, diversificação da produção, redução de custos com energia e modernização de processos e serviços prestados” e, em contrapartida, “comprometem-se a manter os 41 postos de trabalho.”

Refira-se que o processo de aprovação das candidaturas foi conduzido pela Estrutura de Apoio Técnico (ETA) da CIMAA e as empresas abrangidas estão localizadas “nos concelhos de Portalegre (3), Elvas (3), Crato (1), Marvão (1), Monforte (1), Ponte de Sor (1) e Sousel (1).”

A cerimónia vai contar com a presença de Ana Abrunhosa, a ministra da Coesão Territorial que, há poucas semanas, esteve no baixo Alentejo, onde sete micro e pequenas empresas assinaram contratos semelhantes, para um investimento de 860 mil euros, com apoio de 347 mil euros de fundos europeus do Alentejo 2020.

Dirigido às micro ou pequenas empresas, o Programa de Apoio à Produção Nacional é um apoio direto ao investimento empresarial produtivo, que pretende “estimular a produção nacional, com especial enfoque nos setores industrial, turismo e restauração”.

Em todo o país, e no âmbito do PAPN, de acordo com o Ministério da Coesão Territorial, “são já 42 as empresas com projetos aprovados, que totalizam um investimento de 6 milhões de euros”, apoiados “por 2 milhões de euros de fundos europeus dos Programas Operacionais das regiões Norte, Centro, Lisboa, Alentejo 2020 e CRESC Algarve, mantendo ativos os seus 453 postos de trabalho.”

Recorde-se que o programa foi lançado com uma dotação de 100 milhões de euros, 50% dos quais afetos aos territórios do interior, e recebeu candidaturas de 4128 projetos de investimento, que pediram investimentos na ordem dos 587 milhões de euros.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+