Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Saúde

Hospitais voltam quase ao tempo da troika com o Plano de Resilência e Recuperação

07 mai, 2021 - 07:40 • João Cunha com redação

O objetivo desta “reforma hospitalar” é ganhar eficiência e diminuir alegados desperdícios no Serviço Nacional de Saúde. Bastonário dos Médicos fala em medida "absolutamente inaceitável".

A+ / A-

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) entregue pelo Governo em Bruxelas promete milhões para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas, na prática, recupera algumas das linhas de ação definidas com a troika - urgências concentradas, gestores escrutinados e nova organização para evitar desperdícios.

De acordo com o semanário Expresso, o plano prevê a concentração das urgências de Lisboa e do Porto já em 2022, visa também mudar o funcionamento e gestão dos hospitais, com objetivos financeiros estritos e reforçar o papel do Ministério das Finanças nesta avaliação contínua.

O objetivo desta “reforma hospitalar” é ganhar eficiência e diminuir alegados desperdícios no Serviço Nacional de Saúde.

Esta é uma reforma que os administradores hospitalares acusam de ser “uma reedição da troika”.

Apesar de reconhecer que algumas medidas são necessárias, Alexandre Lourenço, o presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, nota que “é retomada a implementação de medidas exigidas pelo sector e definidas em conjunto com os credores internacionais no Programa de Assistência em 2011”, tendo sido “muitas adiadas por praticamente sete anos”.

Para o Bastonário dos Médicos estarem escondidas medidas no PRR, que claramente, estão “todas orientadas para diminuir a qualidade dos serviços prestados na saúde é absolutamente inaceitável”.

“Isto tem de merecer uma crítica dura por parte de todas as instituições democráticas e por toda a gente que se importa com a qualidade dos cuidados de saúde em Portugal”, sublinha em declarações à Renascença.

Miguel Guimarães lembra que as medidas da troika foram bastante criticadas pelo Partido Socialista, cujo Governo atual pretende “recuperar”, as medidas preconizadas não são solução.

Numa nota enviada à redação, o Governo refere que as “medidas que constam no PRR na área da Saúde refletem escolhas já identificadas no Programa do Governo e até na Lei de Bases da Saúde. São, inclusive, matérias em discussão desde há mais de uma década, no sentido do robustecimento e melhoria da eficiência e qualidade dos serviços públicos de saúde”.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+