Tempo
|
A+ / A-

​PSD/Açores reivindica para a SATA ajuda de emergência como na TAP

11 jun, 2020 - 17:11 • Lusa

Estado português "finalizou um entendimento com a União Europeia" para a TAP "e pela SATA, o que está a ser feito?", afirma José Manuel Bolieiro.

A+ / A-

O presidente do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, defendeu esta quinta-feira que a região deve aproveitar as "soluções de exceção" aceites pela União Europeia para reestruturar a transportadora aérea SATA, à imagem do que foi feito com a TAP.

"É exigível que a definição do caminho de reestruturação da SATA seja feita sem mais demora. Não será compreensível a perda da oportunidade para total aproveitamento das soluções de exceção que agora as diversas entidades e instituições de regulação se mostraram disponíveis para aceitar", afirmou José Manuel Bolieiro, citado em nota de imprensa do PSD/Açores.

O social-democrata lembra que, recentemente, o Estado português "finalizou um entendimento com a União Europeia, a propósito da reestruturação e ajuda de emergência à TAP, companhia exposta às mesmas circunstâncias conjunturais, económicas e de regulação da SATA".

E questiona: "E pela SATA, o que está a ser feito? O PSD considera que é urgente e absolutamente necessário que o Governo Regional clarifique, também sem demora, qual a sua posição sobre este assunto, que é determinante para a empresa e estratégico para os Açores".

Bolieiro reafirmou a "opção pela continuidade da SATA na esfera pública", alegando que a “importância estratégica indispensável” da SATA ficou confirmada nos últimos meses, de pandemia de covid-19.

"Já se consumiu quase metade deste ano de 2020 e estamos no ponto de, reconhecendo as inesperadas e especiais dificuldades que os últimos meses acrescentaram, olhar o futuro com coragem, ambição e sentido de responsabilidade, adaptando, sem medo, a nossa vida a novas circunstâncias e agindo com determinação e sentido de urgência", prosseguiu.

O Estado português recebeu na quarta-feira autorização da Comissão Europeia para apoiar a TAP num montante até 1,2 mil milhões de euros, mas, de acordo com o ministro que tutela a aviação, o Governo conta não necessitar de mais do que mil milhões de euros até ao final deste ano.

Em falta está ainda a decisão por parte dos acionistas privados de aceitar as condições apresentadas pelo Estado para fazer esta intervenção.

Trata-se de uma injeção de capital na forma de empréstimo, feita por tranches, mas, segundo o ministro Pedro Nuno Santos, não fica excluída a possibilidade de, numa fase posterior, se proceder a um empréstimo privado garantido pelo Estado.

A SATA fechou o ano de 2019 com prejuízos de 53 milhões de euros, valor semelhante ao registado em 2018, mas com melhorias em ambas as transportadoras aéreas do grupo.

O grupo, liderado por Luís Rodrigues, reconheceu recentemente hoje que a Azores Airlines, ramo da empresa que opera de e para fora dos Açores, continua a "apresentar desequilíbrios operacionais e financeiros significativos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+