“Coronacéticos” agitam debate. Das “ideias perigosas baseadas no medo" ao “excesso de informação”