Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

MP pede condenação de antigo diretor geral do Sporting de Braga

02 abr, 2024 - 19:41 • Lusa

A leitura da sentença está agendada para dia 11 de abril.

A+ / A-

O Ministério Público pediu esta terça-feira a condenação do antigo diretor geral do Sporting de Braga João Gomes a uma pena de prisão por três anos, suspensa mediante o pagamento de uma verba a uma instituição social.

Decorreu na tarde de hoje, no Tribunal de Braga, a última sessão da audiência de discussão e julgamento no processo em que é arguido João Gomes por tentativa de extorsão à SAD do Sporting de Braga, na pessoa do presidente dos minhotos, António Salvador.

O caso remonta a fevereiro 2018, com o clube a instaurar um processo disciplinar ao então diretor geral, tendo em vista o seu despedimento, o que veio a concretizar-se algumas semanas depois.

O Sporting de Braga revelou então que João Gomes tentou coagir o clube com "a ameaça de divulgação de factos infundados na tentativa de extorquir ao clube ou à SAD" 250 mil euros, uma viatura Mercedes-Benz no valor de 60 mil euros e que lhe fosse atribuído subsídio de desemprego com o fim da relação laborar, tudo no prazo máximo de 24 horas.

Depois da inquirição de testemunhas, e segundo a informação da sessão da audiência a que a Lusa teve acesso, o Ministério Público (MP) realçou "a verosimilhança do depoimento do presidente António Salvador, bem como, em especial, das testemunhas arroladas pela SC Braga SAD", apontando "contradições e inexatidões à defesa apresentada e à tese do arguido João Gomes".

No final, o MP pediu a condenação do arguido na pena de prisão por três anos, suspensa mediante o pagamento de 2.500 euros a uma instituição de segurança social a designar.

A leitura da sentença está agendada para dia 11 de abril.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+