Siga-nos no Whatsapp

Samuel Barata, o fundista que retirou 26 segundos à história

11 set, 2023 - 15:56 • Inês Braga Sampaio , Luís Aresta

O atleta, de 30 anos, pulverizou o recorde dos 10 quilómetros em estrada, que durava há quase 40 anos. Agora, o objetivo de Samuel Barata é conquistar a qualificação para os Jogos Olímpicos: está a 42 quilómetros de o conseguir.

A+ / A-

[Atualização às 16h14 do dia 26 de setembro de 2023: O recorde de Samuel Barata foi anulado, devido a um erro de medição. Após nova medição do percurso, prática protocolar sempre que há um novo máximo mundial, como aconteceu no feminino, verificou-se que o trajeto tinha menos 25 metros do que era suposto, ou seja, somente 9,975 quilómetros.]

O que é que se pode fazer em 26 segundos?

Respirar pelo menos cinco vezes. Piscar os olhos seis a oito vezes. Ler mais de 100 palavras deste texto. Mandar uma mensagem a um amigo ou apertar os cordões das sapatilhas. O recordista mundial dos 400 metros, o sul-africano Wayde van Niekerk, ainda estaria a percorrer a segunda metade da pista nos 26 segundos que, agora, separam o novo recorde nacional dos 10 quilómetros em estrada do antigo.

Samuel Barata derrubou a histórica marca de Fernando Mamede, que resistia há 38 anos, em 27 minutos e 45 segundos. Tirou, precisamente, 26 segundos ao recorde do antigo atleta, de 28m11s.

"Era um recorde que sonhava já há algum tempo bater", admite o atleta do Benfica, de 30 anos, em entrevista à Renascença, um dia depois do momento de glória em Brasov, na Roménia.

Um recorde fácil e difícil, nas palavras de Samuel Barata. Fácil porque era dos mais acessíveis de um rol de marcas históricas portuguesas no fundo e no meio fundo, em que constam recordes da Europa e do mundo. Difícil porque "correr na estrada a ritmos rápidos não é nada fácil".

De um segundo a mais a 26 a menos


Em 2022, Samuel ficara muito, muito perto: "Fiz 28m12s, faltava-me um segundo."

"Agora, fruto de muito trabalho - e não é de semanas, é de anos -, consegui bater o recorde e fazer uma marca abaixo de 28 [minutos]. Isto deixa-me super satisfeito e motivado para fazer bons resultados nas provas que se seguem", assume.

Nesta entrevista a Bola Branca, Samuel Barata explica que "há uns anos nunca [imaginou] que seria possível" inscrever o seu nome na primeira entrada da lista das melhores marcas dos 10 km estrada. O sonho tomou forma quando começou a correr na casa dos 29 minutos.

"Um dos grandes objetivos era baixar dos 29, consegui e, depois, isto é uma bola de neve, é a ambição", refere, com uma gargalhada. "Com os anos de treino, com os resultados a aparecer, cada vez tirava mais segundos e cada vez me aproximava mais dessa marca. Sonhei que era possível e, quando as coisas acontecem, é das melhores sensações do mundo. É mesmo brutal. Fico super satisfeito", completa.

Paris 2024 está a 42 km de distância


Qual é, agora, o próximo desafio do recordista nacional dos 10 quilómetros estrada? Garantir a qualificação para os Jogos Olímpicos Paris 2024 numa distância mais de quatro vezes mais longa.

"A minha grande aposta passa pela maratona", explica, por gostar "muito das distâncias longas" e sentir que os 42 quilómetros favorecem mais as suas características.

Neste momento, Samuel Barata está "com um pé dentro, mas também com um pé fora" das Olimpíadas e o objetivo levou-o a prescindir da participação nos Mundiais de Atletismo em Budapeste, na Hungria. Ainda não conseguiu a qualificação, contudo, acredita que pode garanti-la numa maratona em outubro.

"Esse é o meu grande objetivo neste momento. Este resultado deixa-me super motivado e claro que também posso sonhar com uma qualificação nos 10 mil metros, apesar de que é muito mais difícil: só para ter noção, a quota para os 10 mil metros são só 27 atletas e na maratona são 80. Nunca se sabe, até posso conseguir, mas neste momento estou muito próximo na maratona. Espero que daqui a um ano o objetivo esteja cumprido", refere.

Portugal pode voltar a viver era de ouro


Samuel acredita que este seu recorde e outros resultados recentes no atletismo são um sinal de que o fundo e o meio fundo portugueses têm potencial para ser, novamente, dos melhores da Europa e do mundo.

"Houve ali uns anos em que deixámos de acreditar em nós próprios, mas temos valor", afiança o atleta português, que espera fazer parte deste ressurgimento de Portugal para os grandes resultados:

"Com estes resultados, também posso dizer que estou a aproximar-me da era de ouro. O nível internacional está muito elevado e, neste momento, em Portugal, os atletas já se aperceberam que têm de treinar mais, apostar mais e fazer fazer como os atletas estrangeiros: mais treinos em altitude e treino científico, para obter melhores resultados. Pouco a pouco isso está a acontecer e acho que, nos próximos anos, os resultados vão ser cada vez melhores. Espero estar a contribuir para isso."

Samuel Barata vê "uma nova geração de atletas" a chegar ao fundo e ao meio fundo.

Destaca Isaac Nader, de 24 anos, que se apurou para a final dos 1.500 metros nos Mundiais e ficou a cinco segundos do recorde nacional de Rui Silva, bronze olímpico em 2004. Também fala de Etson Barros, de 22 anos, que tem a terceira melhor marca portuguesa de sempre nos 3.000 metros obstáculos (menos de três segundos a mais que o recorde nacional de Manuel Silva, em 2004).

"[Nader, Barros e outros] estão a um nível brutal, são muito novos e vão fazer resultados excelentes tornar outra vez o nosso meio fundo de ouro. Acredito que, no futuro, vai haver bons resultados e os portugueses vão ficar orgulhosos", garante Samuel Barata.

Por enquanto, Portugal pode celebrar Samuel Barata, que pulverizou um recorde com quase 40 anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+