Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Hora da Verdade
Uma parceria entre a Renascença e o jornal “Público”. Entrevistas aos protagonistas da atualidade. Quinta às 23h20.
A+ / A-
Arquivo

​Hora da Verdade

Ana Gomes. Ilegalidade do Chega “está a ser levada a sério”

15 abr, 2021 • Eunice Lourenço (Renascença), Luciano Alvarez (Público)


Antiga candidata à Presidência faz balanço positivo do início do segundo mandato de Marcelo e defende uma “Geringonça II”.

Ana Gomes garante que da sua candidatura presidencial ficou apenas ela e que o seu partido continua a ser o PS. Em entrevista à Renascença e ao jornal "Público", também fala da situação na Etiópia, um país que conhece devido às suas funções de observadora das eleições de 2005.


Que avaliação faz do início do segundo mandato do Presidente da República? Acha que vai ser muito diferente do primeiro?
É normal que seja diferente, desde logo porque o Presidente não tem que ser reeleito e isso muda tudo na sua abordagem. Depois, porque as condições hoje são muito diferentes do que eram no primeiro mandato, quando havia um Governo de que muita gente duvidava que conseguiria cumprir a legislatura. Hoje, não temos ‘geringonça’, temos uma situação de grande instabilidade porque temos um Governo que não tem maioria absoluta e devia estar a negociar, negociar, negociar em todos os azimutes – aliás, valendo-se do exemplo bem-sucedido da ‘geringonça’. Temos um primeiro-ministro que não quis fazer uma ‘geringonça 2’, que lhe daria mais estabilidade, para não ter de negociar in extremis. Vai ser complicado. Não é por acaso que o Presidente, neste afrontamento que teve com o Governo sobre os apoios sociais, disse que promulgou o decreto, para, de forma preventiva, incentivar o Governo a negociar o próximo Orçamento do Estado.

Para já, portanto, faz uma avaliação positiva
Para já sim, eu teria feito o mesmo que o Presidente da República fez.

Acha que o Governo deve ser incentivado, estimulado, forçado, a negociar mais?
Acho que sim, isso é essencial. Já temos uma crise sanitária terrível, que está a ter consequências económicas e sociais devastadoras, precisamos de crise política? Não! Seria devastador para a capacidade de o país recuperar. O Governo tem de negociar, tem de fazer passar os próximos Orçamentos do Estado.

O que é que ficou a sua candidatura presidencial? Como é que vai continuar a sua intervenção política?
Fiquei eu, de cabeça independente, ficaram todos os amigos que me apoiaram – conheci novas pessoas do meu partido, de outros partidos e independentes de quem fiquei amiga –, mas não há nenhuma formação. Sou militante do PS e acho que é dentro do PS e dentro dos partidos políticos que temos de fazer o combate pelo reforço da democracia, pelo reforço das instituições democráticas, entre elas os próprios partidos políticos.

Acusam-me de ser populista, mas eu não quero destruir as instituições, eu quero reforçá-las e regenerá-las – incluindo o meu partido, que é o PS. Daí que eu fale livremente. E resta um sentimento de independência maior do que nunca, de que nunca abdiquei. Voltei ao comentário político, estou a escrever sobre o processo de 1999 em Timor, acho que é minha obrigação e é a minha prioridade.

Há cerca de um mês entregou na Procuradoria-Geral da República um conjunto de documentação em que pedia a reavaliação do partido Chega, porque considera que tem um discurso racista e xenófobo. Já recebeu alguma resposta?
Já. Sei que está a ser levado a sério, quer na Procuradoria-Geral da República, quer no Tribunal Constitucional. É o que lhe posso dizer. Também mandei esses documentos para as instâncias europeias e do Conselho da Europa – que fez recentemente um relatório a falar da preocupação do fenómeno racista e xenófobo em diversos países…

Está a dizer que a ilegalização do Chega está em cima da mesa?
Eu assumi, fiz aquilo que achava indispensável e achava que devia ter sido o Presidente da República – ou outra instância política - a fazer. E sim, sei que o assunto está a ser seriamente estudado pelos órgãos competentes.

Para terminar, e mudando muito de assunto, queria perguntar-lhe pela Etiópia, país que conhece bem e que está a passar uma fase muito complicada. Como vê a situação?
Não fiquei muito surpreendida com este conflito no Tigré porque são os highliners do regime do antigo primeiro-ministro, um regime a que eles chamam étnico-federalismo, que no fundo é uma regra de dividir para reinar. Eles arranjaram um conflito no Tigré e há violações dos direitos humanos de parte a parte. Ainda hoje estive a falar com um responsável da Etiópia que me disse que neste momento há investigações da Comissão Nacional de Direitos Humanos em conjunto com instâncias das Nações Unidas.

E não tenho dúvida de que boa parte dos relatos sinistros que ouvimos aqui, que tendem apenas a culpar o lado governamental, fazem parte de uma narrativa construída pelos highliners do partido TPLF [Frente de Libertação do Povo Tigré], que têm muitos amigos, inclusive na União Europeia, no Reino Unido e até na Administração Biden – e que ajudaram a fazer, nos media internacionais, um coro sinistro, como se todas as violações de direitos humanos estivessem do lado do Governo. O TPLF são um grupo sinistro, os métodos dele são sinistros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    16 abr, 2021 ÍLHAVO 12:01
    A força do "dito cujo" está bem à vista na marcação de data para o processo judicial contra o Primeiro-Ministro - lembram-se? -, cuja data não há meio de ser conhecida (... para podermos todos assistir ... e rir)! E a das suas "claques" também está bem à vista - no anonimato dos comentários, nas máscaras das manifestações, e na idiotia e falsos perfis das redes sociais. E, mesmo quanto ao anonimato dos "ditos votos" (?) (absolutamente indispensável, ... mas para eles só por enquanto, ... e para o qual nada contribuíram, ), embora se possa "parecer" com o de gente honrada e racional, vale o mesmo que o dos comentários, das já referidas máscaras, e dos dislates nas redes sociais. Chega assim?
  • Força, André!
    16 abr, 2021 Viva o Chega! 09:55
    O que chateia esta Gomes e os partidos do sistema são os 500 000 votos no Chega!, que indiciam o descontentamento e o desencanto que grassam na Sociedade Portuguesa contra os partidos do regime. Se a expressão eleitoral do Chega! fosse ridícula, nem perdiam tempo a falar nele. Como começa a ameaçar o establishment que existe...
  • José J C Cruz Pinto
    16 abr, 2021 ÍLHAVO 09:20
    Podem, podem! - não as pessoas (!), evidentemente, mas tudo o que fazem e tentam promover contra a lei e os mais elementares princípios da decência e civilização. E terão até muita sorte, porque não cabe, nem caberá, na cabeça de quem vos quer ver longe propor que emigrem [embora fosse bom que quisessem livremente exercer essa opção (e têm já tanto para onde ir, não têm?)], ou que sejam imediatamente deportados, como advogam para quem não vos agrada. Chega assim?
  • Domingos
    15 abr, 2021 Davos 20:34
    Do que tem medo afinal de contas, não podem simplesmente ilegalizar centenas de milhares de portugueses ou será que podem? Na Venezuela sei que sim mas em Portugal!......... Anda mas é tudo doido. País desgraçado....
  • José J C Cruz Pinto
    15 abr, 2021 ÍLHAVO 07:46
    E é mesmo essencial que a questão da possível ilegalidade do ... "dito cujo" ... seja levada a sério, porque se o não for, acabará por ser a "nossa democracia" (não a democracia, em geral e em abstracto) que poderá deixar de ser levada a sério.