Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
O país "com o pé na mola" - Conversas Cruzadas
O país "com o pé na mola" - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

O país "com o pé na mola"

14 fev, 2021 • José Bastos


José Alberto Lemos, Eduardo Baptista Correia e Nuno Botelho na análise da semana.

Sinais de alerta, tipo de confinamento a adotar e mensagem a difundir são as tarefas pedidas pelo primeiro-ministro a peritos e parceiros sociais para a próxima semana. Desconfinar não é para já e a Páscoa, dentro de seis semanas, não vai ser vivida nos moldes tradicionais.

No meio de uma nova vaga de críticas, e com Portugal ainda a liderar os piores rankings, a semana não foi nada favorável a António Costa que viu o professor Manuel Carmo Gomes, uma das vozes de maior racionalidade no debate público, bater com a porta nas reuniões do Infarmed e acusar o governo de ter gerido o combate à pandemia sempre a reboque dos acontecimentos.

O matemático da equipa da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, na modelação da situação epidemiológica do país, explicou que a curva de contágio começa a descer. Manuel Carmo Gomes argumentou que “o país está com o pé na mola”, mas o que acontecerá depois de retirar o pé? – perguntou o cientista defendendo a aposta na testagem reforçada e rastreamento.

“O vírus comporta-se como uma mola em que é preciso usar um pé, ou uma mão, para manter a pressão, caso contrário a mola dispara, nesta situação o número de casos aumenta exponencialmente. O pé está na mola porque estamos confinados, mas como sair de casa sem que a mola venha por aí acima outra vez e, talvez, agravada pelas novas variantes?”, questionou Manuel Carmo Gomes.

Este diagnóstico condicionou todo o debate da semana a que acresce a entrevista de Alexandre Lourenço da APAH, revelando ter proposto ao governo - em março de 2020 - a criação de uma estrutura de coordenação da resposta à pandemia e agilizar a colaboração entre os distintos serviços. Alexandre Lourenço já disse que se está ainda a trabalhar em cima do joelho.

Como assim? 11 meses depois ainda se trabalha em cima do joelho? A resumir as perplexidades da semana a pergunta abre a análise de Nuno Botelho, jurista e presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria, Eduardo Baptista Correia, gestor e professor universitário e José Alberto Lemos, jornalista, a olhar também para o novo impeachment a Trump.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.